quarta-feira, 21 de junho de 2017

9 anos

Já tenho um filho na adolescência... Como é que é possível isto ter passado tão rápido?
Durante o dia de anos do miúdo, fui lembrando o que aconteceu há 9 anos atrás. A esta hora rebentaram-me as águas; aquela hora estava na enfermaria à espera das contrações; aquela hora estava com muitas dores; depois estava a sofrer horrores e, às 20:05, tinha visto o meu pequenino pela primeira vez. No dia de anos dele, dei por mim a olhar várias vezes para o garoto e a pensar que passar de 3,250 kgs de gente, para quase 40 kgs, foi num ápice, um piscar de olhos!
E, se há 9 anos atrás, tudo era uma novidade para mim: um misto de amor desmedido e medo na mesma proporção, hoje já nem sei como era antes de ser mãe, continuando, porém, a sensação de amor e medo.
O meu menino entrou na adolescência e a mim deixa-me um travo agridoce: de felicidade pelo miúdo estar a crescer bem, com saúde e alegria e, por outro lado, com o sentimento de culpa das tantas vezes em que falhei como mãe e, das vezes em que nos chateamos e em que me zanguei por coisas de somenos importância. 
Acho que fiquei em estado de choque com o aniversário do garoto e, sobretudo por esta entrada na adolescência, que tanto me assusta!
De qualquer forma, PARABÉNS, meu amorzinho! Adoro-te daqui até ao infinito, infinitas vezes!

sábado, 3 de junho de 2017

O meu filho é uma comédia #especial burla

Hoje de manhã (naquela minha fase de "o meu corpo está aqui, mas a minha alma ainda está a dormir"), o Tomás vem ter comigo com um caderninho que ele tem onde escreve coisas dele e pede-me uma assinatura! Eu, olho para o caderno e penso que ele vai treinar uma assinatura dele (eu fazia isso em miúda!!) e assino! Assim que o faço ele começa a rir. Estranhei! É então que reparo que a folha que assinei estava dobrada a meio. Ele desdobra o papel e eu leio:
Eu (o meu nome completo) declaro que deixo o meu filho crescer o cabelo. Assinatura: (a minha)
Não sei se ria ou se me assuste com o nível de premeditação! Talvez as 2 coisas...

quinta-feira, 1 de junho de 2017

Como dar a volta a uma mãe... ou a um pai...

Noite de sexta feira, eu sento-me no sofá ao lado da Mafalda. Ela vira-se para mim e diz:
- Já que estás de pé, podias ir buscar-me água?
- Mas olha lá, eu não estou de pé, estou sentada!!!
- E eu também estou...
(É que fico sempre surpreendida com estas tiradas dos garotos. Já devia ter percebido que eles sabem mais que a Lúcia!)